Galgar fronteiras, criar “pontes”, traçar “ruas” e itinerários: a construção social de sentidos nos espaços intersticiais da sala do Jardim de Infância pelas crianças

Manuela Ferreira

Resumo


Subscrevendo pressupostos teóricos da Sociologia da Infância e socorrendo-se de contributos da Sociologia e Antropologia do Espaço, o presente artigo visa dar conta dos modos como as crianças no quotidiano da sala de um Jardim de Infância em Portugal foram atribuindo outras significações simbólicas àquele espaço institucional. A análise de descrições etnográficas das deslocações, paragens e demoras das crianças pelas várias áreas da sala, em ritmo balançado entre o nomadismo e a sedentarização, procura evidenciar aspectos menos perceptíveis das rotinas das culturas de pares instituídas em espaços intersticiais e com isso, chamar a atenção para algumas questões metodológicas relativas à observação das interacções infantis.

 



Palavras-chave


crianças, espaços, práticas sociais, rotinas das culturas de pares.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v4e82011234-251

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED