POLÍTICA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR (1970-1985): IMPACTOS NO SERTÃO ALAGOANO

Marinaide Lima de Queiroz Freitas, Jailson Costa da Silva

Resumo


Este artigo objetiva apresentar as narrativas memorialísticas dos sertanejos, partícipes das ações desenvolvidas pela política de alfabetização de jovens e adultos estabelecida pelo Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL), no período de 1970 a 1985, por meio do Programa de Alfabetização Funcional (PAF). Os depoimentos dos sujeitos envolvidos foram colhidos através de entrevistas, por meio da abordagem qualitativa da História oral, com base nos postulados teóricos de Alberti (2008), Portelli (2010) e Bosi (1994). Privilegia, também, a fotografia como fonte: Cartier-Bresson (1971), Guran (2011) e Leite (1993). As análises realizadas apontaram a relevância dessa política na vida dos sertanejos, independentemente de terem ou não continuado os estudos, pois todos os sujeitos entrevistados reconheceram o referido programa como a única oportunidade de alfabetização. 


Palavras-chave


História oral; Fotografia; MOBRAL; Alfabetização funcional; Sertão alagoano

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v11e202017395-413

Poiésis. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN-e 2179-2534

Licença Creative Commons

Poiésis is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 3.0 Unported License.

Apoio:

 FAPESC

 

ANPED