O FUNCIONAMENTO DISCURSIVO DE CAMPANHAS SOBRE A VIOLÊNCIA NO PARTO: TESTEMUNHO, VIOLÊNCIA E SILÊNCIO.

Aline Fernandes Azevedo Bocchi

Resumo


Este artigo apresenta uma reflexão sobre as formas de significar a violência obstétrica na atualidade, através da análise de recortes de duas campanhas de combate a esse tipo de violência: #partocomrespeito, produzida e difundia pelo semanário brasileiro Época, e Voces contra la violencia obstétrica, veiculada pela associação argentina Las Casildas. Amparados nos pressupostos teóricos da Análise de Discurso elaborada por Michel Pêcheux e seu grupo, problematizam-se as campanhas em seus modos constituição, formulação e circulação, enquanto produtoras de diferentes sentidos para a violência. Tecidos na relação entre palavras, imagens e sons, são sentidos que se formulam por meio do jogo entre o visível e o invisível. Nos recortes, a imbricação entre imagem e testemunho constitui um discurso sobre a violência obstétrica, tecido no movimento entre o dizível e o indizível do trauma, entre a injunção a tudo dizer e o silêncio em suas diferentes versões, conforme teorizado por Orlandi.

Palavras-chave


Testemunho; Imagem; Violência Obstétrica; Memória; Silêncio

Texto completo:

PDF


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.