As portas que giram: um estudo discursivo sobre a degradação do corpo em A última gargalhada

Odair José Moreira da Silva

Resumo


O expressionismo alemão no cinema floresceu como um ciclo de filmes que tinha como uma das metas revelar a experiência conflituosa e psicológica das personagens envolvidas nos ditames sociais com uma profusão de elementos que propagavam o tom caótico de seus inconscientes. Um dos temas frequentes desse cinema centrava-se na degradação social, tanto física, quanto moral. O discurso fílmico expressionista é construído, em alguns casos, com base na figurativização de corpos à beira do colapso e da ruína humana, o que enfatiza ainda mais essa degradação que percorre todo o enredo. Pelo viés da semiótica francesa, enfatizando a teoria discursiva que trata dos temas e das figuras dos discursos, sem se esquecer do trabalho recorrente das isotopias figurativas, pretende-se aqui observar de perto como um tema tão recorrente foi engendrado na estrutura de um dos filmes mais marcantes do cinema expressionista alemão, A última gargalhada (1924), de Friedrich Wilhelm Murnau.

Palavras-chave


Expressionismo; Cinema; Corpo; Discurso; Isotopia

Texto completo:

PDF/A


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.