Compreensão de expressões idiomáticas da língua portuguesa como L2: evidências de protocolos verbais

Alessandra Baldo

Resumo


Este artigo relata um estudo cujo objetivo foi investigar em que medida os processos cognitivos utilizados por cinco falantes de português como L2 para compreender dez expressões idiomáticas (EIs) de forma descontextualizada seriam similares aos utilizados para a compreensão das mesmas expressões em contexto. A análise dos dados, coletados por meio de protocolos verbais retrospectivos e de pausa, revelou que o uso de analogia e associações a partir de conhecimentos prévios foi a estratégia preferencial para as EIs descontextualizadas, enquanto o uso de indícios microtextuais foi a mais empregada nas EIs em contexto. Além disso, os dados apontaram para uma aproximação apenas parcial dos processos cognitivos empregados pelos participantes nos dois contextos de atribuição de significado a novas EIs. Os resultados são avaliados com base em Liontas (2001, 2002), Polónia (2009) e Sadeghi, Dastjerd e Ketabi (2010).

Palavras-chave


Expressões idiomáticas; Processos inferenciais; Português como L2

Texto completo:

PDF/A


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.