P-prime e produção lingüística: percepção e preconceito

Maria Marta Furlanetto

Resumo


Resumo: Neste trabalho discute-se a possibilidade de uma linguagem que se desloque do esquema essencialista de Aristóteles, associando-se isto à idéia mais ampla de proporcionar (também na perspectiva pedagógica) um melhor desempenho na escritura de documentos formais. Aposta-se na possibilidade de que isso represente um modo de pensar mais adequado, mais científico, representando um ganho de percepção e de consciência de mundo, e finalmente de reconhecimento das redes que compõem a vida humana em seu processo de conhecimento e de reconhecimento da alteridade. Trata-se de buscar uma linguagem que corresponda a uma flexão do sujeito para a própria expressão, para descobrir de que ela fala, e como fala em nós (pré-conceitos).

Resumé: Dans cette étude on discute la possibilité d'un langage déplacé du schéma essencialiste d'Aristote, rapporté à l'idée plus large de mettre à portée de main (aussi d'une visée pédagogique) la réussite dans l'écriture de documents formels. On tient le pari que cela représente um gain de perception et de conscience du monde; enfin, de reconnaissance des réseaux qui composent la vie humaine vis-à-vis de son procès de connaissance et de reconnaissance de l'altérité. Il s'agit de mettre à point un langage qui corresponde à un dédoublement du sujet vers sa propre expression, pour y déceler sur quoi ce langage parle, et comment il parle en nous (pré-jugés). 

Palavras-chave


Essencialismo; Textos formais; Percepção; Escrita; Alteridade

Texto completo:

PDF


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.