Gênero textual como signo lingüístico: os reflexos da tese da arbitrarieade

Adair Bonini

Resumo


Resumo: As marcas formais de um gênero apresentam correspondências regulares com o mundo que ele evoca. Este fato conduz a reflexão tecida neste artigo, que aponta para um olhar sobre as convenções em oposição ao que não é convencionalizado, mas substrato das ações no mundo. Neste sentido, três temas são abordados: a relação entre gênero e signo lingüístico, a relação da linguagem com sua exterioridade e a categorização como substrato para a pesquisa da linguagem.

Abstract: The formal marks of a genre present regular correspondences with the world that it evokes. This fact leads the reflection of this article, that points to a look at the conventions in opposition to that it is not convention, but substratum of the actions in the world. In this direction, three subjects are studied: the relation between genre and linguistic sign, the relation of the language with its exteriors and the categorization as substratum for the research of the language. 

Palavras-chave


Texto; Gênero textual; Arbitrariedade lingüística; Categorização

Texto completo:

PDF


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.