INOVAÇÃO SUSTENTÁVEL SEGUNDO O MODELO DOS CINCO ESTÁGIOS: ESTUDO MULTICASO

Danieli Artuzi Pes Backes, Evandro Luiz Lopes, José Jaconias da Silva, Mariana Amicucci Almeida de Mangabeira, Eliane Herrero

Resumo


O estudo objetivou avaliar a relação entre inovação e sustentabilidade em quatro indústrias a partir do modelo de cinco estágios de Nidumolu, Prahalad e Rangaswami (2009). Adotou-se como método para a coleta de dados do estudo multicaso, entrevistas semiestruturadas, pesquisa documental e visitas técnicas com observação in loco. Os resultados apontaram que as quatro indústrias analisadas passa(ra)m pelas cinco fases e desenvolve(ra)m inovações incrementais alinhadas com ações sustentáveis, baseadas no cumprimento da legislação ou na motivação pessoal de seus gestores, sem existir um direcionamento governamental institucional sistêmico para a formulação de modelos de negócios voltados à inovação sustentável.


Palavras-chave


Inovação; Sustentabilidade; Modelo de cinco estágios.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADOMO, R. C. F.; CASTRO, A. L. de. O exercício da sensibilidade: pesquisa qualitativa e a saúde como qualidade. Saúde e Sociedade, v. 3, n. 2, p. 172-185, 1994.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anvisa libera uso de embalagens PET recicladas em alimentos. Brasília, 19 de março de 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2015.

AGUIAR, B. L. P. de; CURVO NETO, J. Logística reversa - o ciclo de vida do “PET”: um estudo de caso na Reciclamax/MT. Anais... XVI Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente – Engema. São Paulo: 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

AGUIAR, B. L. P. de; RONDON, C. E. N. Ecologia industrial: estudo de caso na indústria de tintas em Cuiabá-MT. Anais... XVI Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente – Engema. São Paulo: 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2016.

ALMT. Assembléia Legislativa de Mato Grosso. Empresas recebem Certificado de Responsabilidade Social. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2016.

AMBEC, S.; LANOIE, P. Does it pay to be green? A systematic overview. Academy of Management Perspectives, v. 22, p.45-62. 2008.

ARAÚJO, M. A. S. Reciclagem de Óleos Lubrificantes (apostila). Rio de Janeiro: Cenpes, 1997.

ARAÚJO, T. Indústria produz 40 milhões de PET por mês em Cuiabá para todo o país. 20 Jan 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

BARBIERI, J. C. Organizações Inovadoras Sustentáveis. In: SIMANTOB, M. Organizações inovadoras sustentáveis: uma reflexão sobre o futuro das organizações. São Paulo, Atlas, 2007.

BERCHIELI, R. Uma análise da indústria de transformação de Mato Grosso no período de 1980 à 2007. 175f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Agronegócios). Faculdade de Economia, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2009.

BERGAMASCO C. (2011). Projeto de óleo anexado ao Biocoletor é referência em Cuiabá. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2016.

BOONS, F.; LÜDEKE-FREUND, F. Business models for sustainable innovation: state-of-the-art and steps towards a research agenda. Journal of Cleaner Production, v. 45, p. 9-19, 2013.

COUTINHO, F. Governo investe na sustentabilidade ambiental por meio do Projeto Vale Luz. Assessoria/Setas-MT – 06 de janeiro de 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

CUNHA, J. M. P. da. Dinâmica migratória e o processo de ocupação do Centro-Oeste brasileiro: o caso de Mato Grosso. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 23, n. 1, p. 87-107, 2006.

DANGELICO, R. M.; PUJARI, D. Mainstreaming green product innovation: Why and how companies integrate environmental sustainability. Journal of Business Ethics, v. 95, n. 3, p. 471-486, 2010.

DOH, J. P. From the Editor: Why we need phenomenon-based research in international business. Journal of World Business, v. 4, n. 50, p. 609-611, 2015.

DORMANN, J.; HOLLIDAY, C. Innovation, technology, sustainability and society. In: Innovation, technology, sustainability and society. WBCSD, 2002.

ECCLES, R. G.; PERKINS, K. M.; SERAFEIM, G. How to become a sustainable company. MIT Sloan Management Review, v. 53, n. 4, p. 43, 2012.

ELKINGTON, J. Cannibals with forks. The triple bottom line of 21st century, p. 73, 1997.

EVANS, P. B. A tríplice aliança: as multinacionais, as estatais e o capital nacional no desenvolvimento dependente brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1982.

FIEMT. Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso. Quali-MT premia 22 empresas de Mato Grosso. Em 14 de junho de 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2016.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. Ed. 5. São Paulo: Atlas, 1999.

GOMES, F. Reciclagem de óleo de cozinha avança em Cuiabá. Em 31 de março de 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016

HALL, J. K.; DANEKE, G. A.; LENOX, M. J. Sustainable development and entrepreneurship: Past contributions and future directions. Journal of Business Venturing, v. 25, n. 5, p. 439-448, 2010.

HALL, J. K.; VREDENBURG, H. The challenge of innovating for sustainable development. MIT Sloan Management Review, v. 45, n. 1, p. 61, 2003.

HAMBRICK, D. C. The field of management's devotion to theory: Too much of a good thing?. Academy of Management Journal, v. 50, n. 6, p. 1346-1352, 2007.

JON, H. The fourth pillar of sustainability: Culture's essential role in public planning. Common Ground, 2001.

INPEV. Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias. Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

LEAL, G. Vai mal o ânimo dos empresários para a sustentabilidade. Em 04/09/2012. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2016.

LEITE, P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. Pearson Prentice Hall, 2003.

MAXVINIL. A empresa. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2016.

MAXWELL, D.; VAN DER VORST, R. Developing sustainable products and services. Journal of Cleaner Production, v. 11, n. 8, p. 883-895, 2003.

NIDUMOLU, R.; PRAHALAD, C. K.; RANGASWAMI, M. R. Why sustainability is now the key driver of innovation. Harvard business review, v. 87, n. 9, p. 56-64, 2009.

OECD. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. Manual de Oslo: Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. (Trad.) FINEP. Brasília: FINEP, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2016.

OYAMADA, G. C.; LIMA, J. F. de. A formação industrial do estado de Mato Grosso: do século XVII ao século XX. Acta Geográfica, v. 9, n. 21, p. 69-81, 2015.

PINKSE, J.; GROOT, K. Sustainable entrepreneurship and corporate political activity: Overcoming market barriers in the clean energy sector. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 39, n. 3, p. 633-654, 2015.

PLASTIBRÁS. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2016.

PREFORMAX. Preformax Institucional. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2016.

QUALIMT (2013). Quali Mato Grosso – Apresentação institucional. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

ROSSI, G. B.; SERRALVO, F. A.; JOÃO, B. N. Análise de Conteúdo/CONTENT ANALYSIS. REMark, v. 13, n. 4, p. 39, 2014.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Editora Garamond, 2002.

SCHAEFER, K.; CORNER, P. D.; KEARINS, K. Social, Environmental and Sustainable Entrepreneurship Research: What Is Needed for Sustainability-as-Flourishing? Organization & environment, v. 28, n. 4, p. 394-413, 2015.

SCHALTEGGER, S.; WAGNER, M. Sustainable entrepreneurship and sustainability innovation: categories and interactions. Business strategy and the environment, v. 20, n. 4, p. 222-237, 2011.

SCHUMPETER, J. A. (1982). O fenômeno fundamental do desenvolvimento econômico. In: Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SENAI-MT (2016). O que é Quali-MT? Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2016.

SHEPHERD, D. A.; PATZELT, H. The new field of sustainable entrepreneurship: Studying entrepreneurial action linking “what is to be sustained” with “what is to be developed”. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 35, n. 1, p. 137-163, 2011.

SILVA, I. A. F. Inovação sustentável na indústria do estado de Mato Grosso: setores de alimentos e madeireiro (1970-2012). 232f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável). Núcleo de Altos Estudos Amazônicos. Universidade Federal do Pará. Belém, 2012. Disponível em: < http://repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/3740/1/Tese_InovacaoSustentavelIndustria.pdf>. Acesso em: 15 set. 2016.

SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3 ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da UFSC, 2001.

SOUZA, C. G., OLIVEIRA, F. A., ROSA, L., & JUNIOR, S. Análise dos indicadores sociais internos de responsabilidade social das médias e grandes empresas certificadas pela Assembléia Legislativa de Mato Grosso. Revista UNEMAT de Contabilidade, v. 2, n. 3, 2015.

SOUZA, D. V. de; ZIONI, F. Novas perspectivas de análise em investigações sobre meio ambiente: a teoria das representações sociais e técnica qualitativa da triangulação de dados. Saúde e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 76-85, 2003.

THOMPSON, J. D.; MACMILLAN, I. C. Business models: Creating new markets and societal wealth. Long Range Planning, v. 43, n. 2, p. 291-307, 2010.

VALENTE, M. A. L. Marco legal das licitações e compras sustentáveis na Administração Pública. Câmara dos deputados, 2011.

WALLEY, E. E.; TAYLOR, David W. Opportunists, Champions, Mavericks...? Greener Management International, n. 38, 2002.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. Tradução de Daniel Grassi. 2 Ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v10e2201721-53

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


R. eletr. estrat. neg.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1984-3372

Licença Creative Commons


REEN is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported .