Conhecimento, Inovação e Estratégia competitiva: um estudo no setor atacadista da moda

Paulo Henrique de Oliveira, Maria Estefânia Resende Epaminondas

Resumo


O presente artigo teve por objetivo descrever como o conhecimento, inovação e estratégiacompetitiva são tratados no contexto das organizações do setor atacadista da moda mineira.Para tanto, utilizou-se, como estratégia de pesquisa, um estudo multicaso com dezempresários (as) de Belo Horizonte, os (as) quais foram intencionalmente selecionados apartir dos seguintes critérios: tempo de experiência no setor atacadista da moda; número defuncionários de suas organizações e perfil inovador dos proprietários. Os dados foramcoletados por meio de entrevistas em profundidade com os proprietários dos respectivosempreendimentos, e analisados por meio das técnicas da estatística descritiva e da análisede conteúdo. Os resultados demonstraram que, no setor atacadista da moda, grande partedas inovações é incremental, e que a imitação criativa é bastante comum, apesar de haverespaços para tentativas de invenções de produtos.

 


Palavras-chave


Conhecimento; Inovação de produtos; Estratégia funcional; Setor atacadista da moda; Estudo multicaso.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO (ABIT). Setor têxtil de confecção brasileiro: balanço de janeiro a maio de 2009 e perspectivas. Disponível em . Acesso em 16 jul. 2010.

BARNEY, J. B. Types of competition and the theory of strategy: toward an integrative framework. Academy of Management Review, v. 11, n. 4, p. 791-800, out. 1986.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, mar. 1991.

BOWONDER, B.; DAMBAL, A.; KUMAR, S.; SHIRODKAR, A. Innovation strategies for creating competitive advantage. Research Technology Management, v.53, n.3, p.19-32, 2010.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento. São Paulo: Ed. SENAC, 2003.

DAVENPORT T.H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DRUCKER, P.F. From Capitalism to Knowledge Society. In: NEEF, D. (Ed.). The Knowledge Economy. Butterworth-Heinemann, 1998.

DRUCKER, P.F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): práticas e princípios. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

FAGERBERG, J. Innovation: a guide to the literature. In: FAGERBERG, J; MOWERY, D.C.; NELSON, R.R. The Oxford Handbook of Innovation. New York: Oxford University Press, 2005.

FORSMAN, H. (2011). Innovation capacity and innovation development in small enterprises: a comparison between the manufacturing and service sectors. Research Policy, v. 40, p. 739-750, 2010.

GOVINDARAJAN, V. TRIMBLE, C. O outro lado da inovação: a execução como fator crítico de sucesso. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2010.

GRANT, R. M. The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review, v. 33, n. 3, p. 114-135, Spring 1991.

GRANT, R. M. Toward a knowledge-based theory of the firm. Strategic Management Journal, 1996. v.17 (winter), pp.109-122.

HITT, M. A., IRELAND, R. D, HOSKISSON, R. E. Administração estratégica. São Paulo: Bookman, 2003.

KIM, L.; NELSON, R.R. (org). Tecnologia, aprendizado e inovação: experiências das economias de industrialização recente. São Paulo: Editora da Unicamp, 2005.

MARSHALL, A. Princípios da economia. Abril Cultural, 1982. (Coleção Os Economistas).

NELSON, R.R.; WINTER, S.G. The evolutionary theory of economic change. Cambridge, MA: Belknap Press, 1982.

NONAKA, I. A empresa criadora do conhecimento. In: Aprendizagem organizacional: os melhores artigos da Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Elservier, 2006. p.27- 49.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OLIVEIRA JUNIOR, M.M; BOEHE, D.M.; BORINI, F.M. Estratégia e inovação em corporações multinacionais: a transformação das subsidiárias brasileiras. São Paulo: Saraiva, 2009.

PISCOPO, M. R. Empreendedorismo corporativo e competitividade em empresas de base tecnológica. Revista de Administração e Inovação, v.7, n.1, p.131-150, 2010.

POLANYI, M. Tacit knowing. In PISCOPO, M. R. The tacit dimension. Garden City, New York: Doubleday & Company, cap. 1, p.1-25, 1967

PORTER, M. E. Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: Free Press, 1980.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 68, n. 3, p. 79-91, May/Jun. 1990.

ROBBINS, S. P.; COULTER, M. Administração. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1998.

SALUNKE, S.; WEERAWARDENA, J.; MCCOLL-KENNEDY, J. R. Towards a model of dynamic capabilities in innovation-based competitive strategy: insights from project-oriented service firms. Industrial Marketing Management, v. 40, p. 1251-1263, 2011.

SCHERMERHORN, Jr. John R. Administração. Rio de Janeiro, 2007.

SCHUMPETER, J. The theory of economics development. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1968; publicado pela primeira vez em 1911.

SPARROW, P. Cultures of innovation. Management Today, abr. 2010.

STEWART, T. A. Capital intelectual – a nova vantagem competitiva das empresas. 7º ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1998.

STONER A. F.J.; FREEMAN, R. E. Administração. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TIGRES, P.B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia do Brasil. Rio de Janeiro: Elservier, 2006.

TUMELERO, C.; SANTOS, S. A. D.; PLONSKI, G. A. Inovação tecnológica em empresas intensivas na utilização de conhecimentos técnico e científico. Um estudo a partir da visão baseada em recursos (VBR). Revista de Administração e Inovação, v.9, n.4, p.202-220, 2012.

WERNERFELT, B.. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v.5. n.2, p.171-1980, abr./jun. 1984.

YIN, R. K. Estudo de caso – planejamento e métodos. (2Ed.). Porto Alegre: Bookman. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.19177/reen.v7e12014p.82-104

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


R. eletr. estrat. neg.Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1984-3372

Licença Creative Commons


REEN is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported .