Memória e documento: o diário de Gonzaga Duque

Alexandra Filomena Espindola

Resumo


Este ensaio procura discutir como a biografia de Gonzaga Duque, disponível no site oficial da Fundação Casa de Rui Barbosa, estrutura-se e, assim, assemelha-se à lógica estrutural da narrativa da História Tradicional. Dessa maneira, a biografia encontra um lugar de legitimidade como um discurso de “verdade”. Para atender ao objetivo deste texto, procuramos compreender como procedem os gêneros história e biografia e a relação que mantêm com “realidade” e ficção. Teóricos como Jacques Rancière, Juan José Saer e Nietzsche nos ajudam a pensar a relação entre “verdade” e aparência, ficção e não-ficção. Rancière entende que, para ser pensado, o real precisa ser ficcionado; já Saer destaca um caráter duplo da ficção: o empírico e o imaginário; e Nietzsche desfaz as fronteiras entre a “realidade” e a “aparência”. Assim, podemos elaborar uma noção de biografia e história livre do velho ranço do discurso da “verdade” e pensarmos os objetos de arte sem a preocupação com a oposição ficcional e não-ficcional.

Palavras-chave


Gonzaga Duque; Memória; Documento; Biografia; Diário

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v7e1201283-95

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.