A escrita da voz nos versos do manuscrito Notas sobre uma possível A casa de farinha, de João Cabral de Melo Neto

Gislaine Goulart dos Santos

Resumo


Notas sobre uma possível A casa de farinha (2013), de João Cabral de Melo Neto, é uma obra inacabada e representa o percurso de uma gênese textual; um planejamento poético escrito no período de 1966 a 1985. Na escrita dos versos, João Cabral atribui ao auto o estatuto da oralidade para representar a voz e o conflito sociocultural dos trabalhadores sobre os possíveis motivos do fechamento da casa de farinha. Na análise dos rascunhos dos versos, pensamos a oralidade baseada no primado do ritmo como organização do discurso e como elemento da voz e da escrita (MESCHONNIC, 1989). A voz dos trabalhadores da casa de farinha é intermediada pela subjetividade, pela ética e pelas leituras que João Cabral realizou para a escrita d’A casa de farinha, ou seja, a voz é dos trabalhadores (cantos de farinha, tradição artesanal), mas o ritmo é cabralino (rima toante, repetição, jogos de palavras).

Palavras-chave


Voz; Oralidade; Teatro; Casa de farinha; João Cabral de Melo Neto

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v15e12020135-152

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.