Do sujeito pré-cartesiano ao contemporâneo: as novas formas de gozo do Outro

Vitor Augusto Werner dos Reis, Maurício Eugênio Maliska

Resumo


Este artigo busca analisar as relações entre o sujeito e o grande Outro a partir das transformações culturais, políticas e econômicas da história recente. Com base na atual proposição de Charles Melman, a respeito de uma nova economia psíquica organizada pelo gozo e pelo apagamento dos limites, tentamos relacionar essa condição subjetiva aos impasses que indicam a falência da instituição simbólica. Para isso, dividimos o trabalho em três secções: a primeira busca descrever o sujeito pré-cartesiano, representante da economia psíquica organizada pelo recalque. Depois, o sujeito cartesiano, marcado pelo pensamento racional e pelas ambiguidades que possibilitaram o avanço do discurso científico e o nascimento da psicanálise. Por fim, discutimos sobre o sujeito contemporâneo e sua relação com a lei e com o gozo. Refletimos sobre as possíveis consequências relativas ao declínio da ordem simbólica e questionamos o estatuto de liberdade do sujeito frente ao grande Outro.

Palavras-chave


Declínio da lei; Sujeito; Nome-do-Pai; Outro; Gozo

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v14e1201911-21

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.