É TUDO VERDADE! TESTEMUNHO E EXPERIÊNCIA EM O PRISIONEIRO DA GRADE DE FERRO (AUTORRETRATOS)

Nilcéia Valdati

Resumo


Como a tentativa de biografar-autobiografar-testemunhar a experiência do confim prisional produz indagações sobre as formas de ler, narrar, montar? A questão surge a partir da constatação de um fenômeno cada vez mais evidente nos últimos anos, a existência de uma grande quantidade de produções, cinematográficas, literárias, que têm como foco contar a experiência do cárcere. Um exemplo disso é o filme O prisioneiro da grade de ferro (autorretratos), de 2003, dirigido por Paulo Sacramento, que, através de um experimento cinematográfico, o de colocar nas mãos dos detentos uma câmera filmadora, procura documentar a rotina dos últimos meses do-no Carandiru. O que nos interessa aqui, percorrendo a esteira benjaminiana, é perceber como esse tipo de produção coloca lado a lado as categorias experiência e testemunho; como, em certo sentido, a experiência enquanto experimento toca o testemunho. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v10e12015109-118

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.