A NUDEZ DO SOM E DA FACE: O PORNÔ VANGUARDA DE BEAUTIFUL AGONY

Selma Nunes Oliveira, Guilherme Di Angellis Da Silva Alves

Resumo


O artigo propõe uma discussão acerca da série de vídeos eróticos/pornôs Beautiful Agony (www.beautifulagony.com), que exibe headshots de homens e mulheres se masturbando. Ao comparar a estrutura narrativa da série com a obra de vanguarda Blowjob, de Andy Warhol, a pesquisa observa a presença de elementos eróticos e artísticos diluídos no pornográfico, tornando limitadoras definições fixas dos conceitos e dos conteúdos. Em Beautiful Agony, o som e as expressões faciais cumprem aquilo que Linda Williams chama de princípio de máxima visibilidade, elemento constitutivo da pornografia. É vanguardista por propor uma erótica que distende noções e práticas comuns ao gênero, com conteúdo amador e estética e enquadramento conceituais, em uma proposta mais intimista que performática. 


Palavras-chave


Beautiful Agony; Pornografia; Erotismo; Vanguarda

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v9e22014215-226

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.