O “nó de pensamento” de Luis Miguel Nava: cenas, alegorias, corpos e memórias

Sandro Ornellas

Resumo


Leitura do poeta português Luis Miguel Nava (1957-1995) a partir de uma hipótese que se baseia na idéia de ser o seu discurso poético uma convergência das tendências abstrato-experimentais dos anos 1960 e mimético-referenciais dos anos 1970, uma síntese poderosamente pessoal, que articula esses contextos estéticos da poesia portuguesa imediatamente anterior à sua a conceitos como os de alegoria e de experiência e memória cultural.

Palavras-chave


Luis Miguel Nava; Alegoria; Corpo; Experiência cultural; Poesia portuguesa contemporânea

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v5e12010186-206

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.