A memória dos gestos na poesia simbolista de Dario Vellozo

Caio Ricardo Bona Moreira

Resumo


Se partirmos do pressuposto de que uma imagem sempre está carregada de história, perceberemos que o retorno dessa mesma imagem, em outras condições, instaura uma diferença que lhe confere uma potência capaz de colocá-la em rede, fazendo-a funcionar, ao mesmo tempo como sintoma, mediante uma interrupção no saber, e como conhecimento, mediante uma interrupção no caos. Pensemos, por exemplo, na poesia simbolista. O simbolismo, na maior parte das vezes, ficou à margem da crítica modernista. Em Curitiba, o ocultista e neopitagórico Dario Vellozo foi um de seus principais fomentadores. Construir o Templo das Musas, com o objetivo de fazer reviver o culto a Pitágoras, foi apenas uma das estratégias adotadas na tentativa de criar um ambiente cultural propício ao renascimento do paganismo no contexto da Belle Époque. Atitudes provocadoras como a de desfilar pela cidade trajando vestes helênicas tornaram Dario Vellozo um corpo estranho no Paraná. Perceber a sobrevivência das formas primordiais da cultura grega na sua poesia é objetivo deste trabalho.

Palavras-chave


Dario Vellozo; Simbolismo; Sobrevivências

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v0e02009263-278

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.