Poesia modernista: gestos de ar e de pedra

Susana Scramim

Resumo


Propõe-se uma discussão sobre que tipo de análise podemos empreender com o Guia de Ouro Preto (1938) e com o poema “Ouro Preto” (1940), ambos de Manuel Bandeira. A relação com o visual tanto do guia quanto do poema está marcada por um ponto de vista modernista frente à cidade colonial. As imagens ali figuradas não estão pensadas numa relação de ausência-presença, mas sim na possibilidade de fixarem-se como pedra monumental, como memória. A análise aqui empenhada propõe-se a interrogar sobre a respiração do tempo nas imagens das obras e também se propõe a descobrir as afinidades paradoxais entre o ar e a pedra, isto é, entre a atmosfera e a matéria daquela arte dita colonial, afinidades essas que reencenam as relações entre a dança e a sepultura do modernismo com a arte colonial, portanto, barroca.

Palavras-chave


Modernismo; Neo-colonial; Anacronismo; Poesia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v0e02009227-234

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.