Mito de Orfeu em Um trem para as estrelas: a canção e o filme

Jussara Bittencourt de Sá

Resumo


Este estudo apresenta uma análise sobre a presença do Mito de Orfeu, a partir dos os aspectos inter e intratextuais nas obras (canção e filme) Um Trem para as Estrelas. O recorte teórico utilizado está pautado nas reflexões sobre a linguagem literária e cinematográfica, com ênfase na teoria bakhtiniana da heteroglossia, do dialogismo, da polifonia e da carnavalização. O filme produzido em 1987, dirigido por Carlos (Cacá) Diegues Um Trem para as Estrelas, o filme, coloca em cena a odisseia de Vinícius/Vina (Guilherme Fontes) à procura de sua amada Eunice/Nicinha (Ana Beatriz Witgen), e a busca de sua consagração como músico. A canção homônima “Um Trem para as Estrelas” foi criada por Cazuza em parceria com Gilberto Gil, com objetivo compor a trilha sonora do referido filme. Na análise procura-se também avaliar a presença da persona Cazuza, na medida em que atua como personagem representando o artista Cazuza. Destaca-se também que a ironia aparece nas linhas das urdiduras que contribuem para a tessitura das obras. Constatou-se, pela consonância versos/cenas, a maneira peculiar em que o Mito de Orfeu aparece desenhado no poema/música e filme/imagens.


Palavras-chave


Cinema; Música; Mito de Orfeu

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v7e22012362-371

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.