Sobre uma sociologia da adaptação fílmica: um ensaio de método

Marcel Vieira Barreto Silva, Rafael de Luna Freire

Resumo


As novas abordagens no estudo da adaptação fílmica procuram transpor o comparatismo essencialista que aponta as diferenças e semelhanças entre filme e livro (ou entre cinema e literatura como códigos de representação), para pensar em uma sociologia da adaptação. Não se trata de abandonar as categorias da análise comparatista; o salto metodológico proposto é relacionar esse comparatismo com as diversas dinâmicas de produção e representação que envolvem o texto-fonte e o filme. Além disso, procura-se dar atenção não apenas aos filmes feitos a partir de livros, mas também àqueles adaptados da televisão, do rádio, de videogame, quadrinhos e outros produtos culturais. Embora não se constitua como um fenômeno novo, a adaptação é um dado permanentemente presente no atual panorama cultural. Desse modo, para se lidar com o complexo emaranhado de conexões e recriações dos objetos artísticos ao qual somos expostos em nosso dia-a-dia, é pertinente que o estudo da adaptação fílmica se atenha ao conjunto de interesses culturais, econômicos e políticos ligados à produção e à recepção dos filmes e suas fontes.

Palavras-chave


Adaptação cinematográfica; Cinema e literatura; Cinema e outras artes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/rcc.v2e2200723-29

R. crít. cult., Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1980-6493

Licença Creative Commons
Revista Crítica Cultural de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Critica_Cultural/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.